• White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White Twitter Icon
  • White YouTube Icon

Um passeio incrível na Ilha do Campeche, em Florianópolis

22.10.2018

Que a Ilha é da Magia todo mundo já sabe, mas é sempre bom lembrar!! Floripa é demais!! Floripa é sem palavras! Floripa te deixa de queixo caído com tanta beleza!! E um desses lugares que te deixa sem palavras é a Ilha do Campeche!! Pensa em um paraíso! Pensou?! Agora multiplica!! Assim você chega nas definições deste paraíso <3

 

 

Um pouquinho sobre a Ilha do Campeche

 

Localizada em frente à Praia do Campeche, a Ilha do Campeche apresenta um rico ecossistema e é tombada como Patrimônio Arqueológico e Paisagístico Nacional pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e, desde 1940, está sob os cuidados da Associação Couto de Magalhães, e atualmente está sob a gestão do IPHAN e compartilhada com distintas associações que auxiliam na conservação.

 

Na Ilha do Campeche você pode encontrar mais de 100 petróglifos em 10 sítios arqueológicos e, de acordo com pesquisas arqueológicas, é o local com mais inscrições rupestres que a Ilha de Santa Catarina, a Ilha do Arvoredo e a Ilha das Aranhas, todas juntas. Entre os sinais deixados pelos povos antigos estão símbolos geométricos, flechas, zoomorfos, antropomorfos e as máscaras, também encontradas nos costões da Praia do Santinho.

 

(Informações do site www.guiafloripa.com.br)

 

Como chegar

 

Em Florianópolis há três locais com barcos credenciados que fazem a travessia para a Ilha no Campeche. Eles estão localizados na Praia da Armação, no Campeche e também na Barra da Lagoa. Você pode ter mais informações aqui nesse site.

 

Eu escolhi sair pela Praia da Armação – e foi a melhor opção, já que nesse dia os barcos não saíram da Praia do Campeche por conta das condições do mar no local. Na Armação, você deve ir até o trapiche que fica bem na divisa entre a Armação e a Praia do Matadeiro – Se precisar, coloca aí no seu GPS: Av. Antônio Borges dos Santos, 127, Armação do Pântano do Sul – Florianópolis.

 

Chegando lá, você já vai ver vários barcos e os pescadores, se tiver dúvida de onde ir é só perguntar para um deles, os manezinhos são queridos e vão te ajudar. Aliás, é até bom mesmo perguntar por ali e dizer que quer ir na Ilha do Campeche, pois os barcos só saem com grupos acima de 6 pessoas, então eles já vão ter, mais ou menos, a noção de quantas pessoas estão esperando.

 

Ali eu conversei com o responsável pelo barco “Cobras do Mar” (aliás, os dois que nos levaram para a ilha são uns amores, indico esse barco) e ele nos orientou aguardar lá no trapiche. O barco sairia entre 10h, 10h30 ( é o horário normal de saída). Graças a Deus, outras pessoas chegaram para fazer o passeio e fechou 18 pessoas no nosso barco. Oba!!!!

 

 Caminho para o trapiche

 

Precisa reservar?

 

Na temporada sim. Mas, na baixa temporada, até o dia 15 de dezembro, não é necessário. Lembrando que essas são informações foram repassadas pela Associação dos Pescadores da Armação, no telefone (48) 98430-4097, nos outros locais pode ser diferente (veja os telefones de contato aqui nesse link e se informe direitinho antes de ir). Então, até o dia 15 de dezembro é só você chegar na Praia da Armação, no local que mencionei acima e fazer o passeio. O valor cobrado, nessa época, é de R$ 70,00 (somente dinheiro). Na temporada o valor deve sofrer reajuste. Vale lembrar que para que o passeio aconteça, além do mínimo de 6 pessoas, as condições climáticas devem estar favoráveis. Trate bem São Pedro nos dias anteriores que tudo dará certo!! Haha

 

A espera

 

Ficamos aguardando ali e já contemplando a beleza do mar da Praia da Armação. Confesso que nunca tinha visto o mar com essa cor ali. Olha só esse azul <3

 

 

Maravilhoso, né? Imagina como estaria na Ilha do Campeche.

 

 Praia da Armação do Pântano do Sul

 Tinha um balanço no meio do caminho; No meio do caminho tinha um balanço rs

 

O trajeto

 

Nosso trajeto de barco durou 30 minutos e apesar de eu achar que o mar estava bem agitado (sentimos isso na pele e no coração hahaha), nosso comandante falou que aquele ali era um mar considerado calmo. Imagina o ruim rsrs. Mas foi bem tranquilo, com toda a segurança, coletinhos e tal. E os dois responsáveis pelo barco “Cobras do Mar” foram muito simpáticos e gentis com a galera. E eles nos avisam a hora que o barco retorna para nos levar embora. Geralmente a permanência na Ilha é de 4 horas.

 

 Embarcando

 Já no barco com o coletinho rs

 Amigo Flavitcho e eu

 

Chegando na Ilha do Campeche

 

A chegada é surreal. Você já fica babando com a beleza do lugar. A cor da água indica que você está chegando ao paraíso.

 

 Chegando na Ilha do Campeche <3

 

O barco para bem próximo da areia, tranquilo para descer, mas tenha cuidado para não deixar nada cair na água principalmente os seu celular #FicaaDica

 

 A saída do barco

 

Chegando lá nós somos recepcionados pelos guias/monitores da Ilha. Eles nos passam algumas orientações e informações sobre o local e também se colocam a disposição para acompanhar nas trilhas (não é permitido andar sozinho (a) pela mata, somente acompanhados pelo guia local).

 

 Recebendo as instruções do monitor da Ilha do Campeche

 

Importante

 

Não se esqueça de levar o que for comer e beber, pois o único restaurante da Ilha está fechado. Só abre no dia 05 de dezembro de 2018, mas o banheiro está aberto (tinha apenas 1 )

 

 O único restaurante da ilha

 

E tome MUITO CUIDADO com os quatis. Sério!! Os quatis vivem na Ilha do Campeche, parecem bem fofinhos (e são), mas são trombadinhas kkkk, eles levam as bolsas, com tudo que estiver dentro, sem dó nem piedade. Dificilmente você consegue recuperar. De coração, não se esqueça disso.

 

 Olha o quati em ação. Comendo o salgadinho da sacola roubada rs

 

A Ilha

 

Podemos chamar de paraíso, sem dúvida nenhuma. Um paraíso de areia branquinha, o mar calmo, que oscila entre o verde e o turquesa, que enche os nossos olhos com tanta beleza.

 

 

 

Você pode ficar apenas aqui, apreciando toda a natureza, pegar um sol, se refrescar nas águas cristalinas ou também pode fazer as trilhas, visitar os costões, sítios arqueológicos, entre outros, além de mergulho em trilha subaquática. Todos esses passeios são cobrados a parte e devem ser feitos com os monitores credenciados pelo IPHAN (o telefone para informações sobre mergulho e trilhas é o 48 99646-2235).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No mais, aproveite esse paraíso lindo em Florianópolis, preserve a natureza, leve seu lixo embora e respeite as orientações repassadas, como não fazer fogueira, não alimentar os quatis, não levar animais, conchas ou plantas, também não é permitido subir nas pedras e costões.

 

Ah, outra dica bem importante: se puder, faça esse passeio agora, entre outubro, novembro, pois o clima já está mais quente e ainda não tem muitos turistas na área. Na temporada fica mais complicado, mais cheio, mais caro, enfim... Agora é o momento mais tranquilo hehe. Mas, se não puder, vá na temporada mesmo. Vale muito a pena.

 

 

 

 

 

E quero deixar aqui também meu agradecimento para meu amigão Flávio que desfrutou desse passeio comigo. O Flavitcho eu conheci em Londres, fizemos intercâmbio lá e outro em Malta. Conhecemos muitos lugares incríveis deste mundão, mas agora ele veio conhecer o lugar mais lindo do mundo, que é Floripa. Por falar nisso, no próximo post vou dar umas dicas do que fazer em Floripa em apenas 3 dias, ou melhor, dois dias e meio, foi o tempo que ele passou aqui, mas deu para conhecer um pouquinho da nossa Ilha da Magia. E como sei que é difícil escolher o que fazer, vou dar algumas sugestões do que fizemos pro cês <3

 

Beijos e até a próxima,

 

Simone Malagoli

 

Vai viajar? Faça sua reserva no Booking através do nosso link, você não paga nada mais por isso e nos ajuda a continuar dando dicas bacanas <3

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Veja também

Please reload