Veja também

O que fazer em Luxemburgo em 4 dias

Olá, galerinha viajante, tudo bem?


Como contei no post anterior, Luxemburgo apareceu como uma surpresa no meu roteiro de viagem. E foi uma linda surpresa. Me apaixonei por esse país pequeno em tamanho, mas tão rico em beleza, em simpatia, e rico mesmo, literalmente falando rs. De acordo com a lista dos países mais ricos do mundo, tendo por base a informação do Fundo Monetário Internacional, Luxemburgo é o mais rico da Europa e aparece entre os três mais ricos do mundo quase todos os anos.


Mas além dessa riqueza, Luxemburgo tem muito mais para oferecer e eu vou mostrar um pouquinho do que fiz nos quatro dias que passei por lá.


Para começo de conversa, lá não tem aqueles pontos turísticos badalados, tipo uma Torre Eiffel, de Paris, ou o Big Ben, de Londres. A ideia por lá é caminhar, se encantar. Lógico que, como em todos os países, tem aqueles lugares históricos e de praxe, que todo turista deve conhecer, mas não se prenda nisso. Vá sem pressa.


Chegando em Luxemburgo


Meu voo saiu de Florianópolis com conexão em São Paulo e Lisboa. Ou seja, minha entrada na Europa foi por Lisboa e posso dizer que eles estão um pouquinho mais severos na imigração. Fizeram muitas perguntas. Mas eu estava com tudo certinho, todas as reservas de hotéis feitas e impressas, assim como o voo de volta, mas mesmo assim o senhor que me atendeu não facilitou muito. Mas, deu tudo certo.


Passando na imigração em Lisboa

Ah, aproveitei para comer o pastelzinho de nata no aeroporto de Lisboa. Não sou boba nem nada hehe.


Cafezinho com o pastelzinho de nata no Aeroporto de Lisboa

Decolagem em Lisboa


Logo eu já estava pousando em Luxemburgo. O aeroporto não é tão grande, mas é bem bonitinho. Tinha visto a possibilidade de ir de táxi ou de ônibus para meu hostel, mas a opção de ônibus foi tão fácil, que utilizei o transporte público mesmo.


Aeroporto em Luxemburgo

Transporte público em Luxemburgo


Dá uma certa inveja quando viajamos pra fora e a gente se depara com toda a organização que existe, né? Não estou desmerecendo o nosso país, mas é que precisamos evoluir muito ainda. No caso do transporte público de Luxemburgo, eu fiquei babando pela facilidade e pelos valores também. Além de oferecer um ótimo serviço, o valor é bem bacaninha. Você tem a opção de comprar bilhete por 2 Euros, válido por duas horas ou comprar o bilhete válido por 24 horas por 4 Euros. Ou seja, você usa quantas vezes quiser, e precisar, e só vai pagar os 4 Euros. Basta apresentar seu ticket para o condutor.


Saindo do aeroporto tem o ônibus, bem na frente, caminhando para sua esquerda, você vai ver um ponto de ônibus, com uma máquina para comprar os bilhetes. É bem simples. Você escolhe a opção do ticket e é só aguardar o ônibus. Ali passa o de número 16, com ponto final na estação.



No busão tem um monitor que vai mostrando os pontos e quanto tempo falta para chegar em cada um, não tem como se perder. E aí ponto que você descer, eu desci na estação mesmo, você vê certinho para qual lado fica seu hostel.


Eu, como sou bem doidinha, fui caminhando para o meu hostel. Eu gosto, né? rs. Uns 2 km de caminhada, com mala e tals, mas já aproveitando para conhecer a cidade e eu também queria encontrar algum lugar aberto para comprar chip do celular, mas nesse dia não encontrei, era um domingo. Não tinha mercado, farmácia, nada aberto hehe.


Mas a caminhada já valeu para eu ter uma base do que me esperava nesses dias em Luxemburgo.


Chegando e me encantando com Luxemburgo

Onde ficar


Bem, gente, aqui estou para contar a minha experiência. E eu fiquei em um hostel. Inclusive quando comecei a pesquisar e programar minha viagem vi que era o único hostel na cidade, então fiz a reserva com muita antecedência. Eu preferi assim, pois como viajei sozinha, se torna mais em conta e também tem a possibilidade de conhecer pessoas.


Fiquei no Youth Hostel Luxembourg City, que fica em um dos lugares mais bonitos de Luxemburgo, pertinho das Casamatas de Bock, da Chemin de La Corniche, entre outros pontos turísticos. Eu amei a localização. E dá para ir para o centro, tranquilamente, caminhando. Eu quase não usei o transporte lá, apesar de toda a facilidade, fiz quase tudo caminhando. E acho que é a melhor forma de conhecer o local. Mas vale lembrar que tem muitas ladeiras, cansa um pouquinho hehe.


O hostel


Como já falei, a localização é incrível, ele fica rodeado por muito verde, é um lugar calmo, silencioso, muito bonito. Amei. O hostel tem uma ótima área de lazer, restaurante e bar com boas opções no cardápio, além do café da manhã que está incluso no valor da diária. Não tinha muitas diversidades, mas pra mim, era o suficiente. O atendimento foi muito bom e ajudou bastante o fato de ter funcionários de Portugal lá, principalmente no restaurante, facilitou muuuuito a minha vida hahaha.


Escolhi quarto feminino e foi muito de boa. Tive sorte de dividir quarto com meninas bem bacanas de várias partes deste mundo. O único problema do hostel, é o chuveiro. Os banheiros são compartilhados e ficam do lado de fora dos quartos, até aí tudo bem, mas os chuveiros... Que briga com eles... Sabe aqueles que tem que ficar apertando todo o tempo pra água sair? Pois bem, é desse, além de sair pouca água, demorava para esquentar. Então, se fosse para sugerir alguma coisa, seria para melhorar o chuveiro. Mas, gente, isso não é um problemão, não. O hostel vale MUITO A PENA. Ficaria todas as vezes lá. Além do ótimo preço, fica num lugar lindo. Recomendo o Youth Hostel Luxembourg City, com certeza.


1º Dia – Reconhecimento da área


Eu já cheguei a tarde por lá, mas nessa época do ano, escurece mais tarde, por volta das 9 e meia da noite, então rende bastante.


Deixei minhas coisas no hostel, fiquei admirando a vista do quarto, descansei um pouco e clarooo, desci para comer alguma coisa hahaha.


Apreciando a vista pela janela do quarto

Minha primeira refeição foi no restaurante do hostel mesmo, com uma paisagem linda ao redor, nesse momento eu já estava completamente apaixonada por Luxemburgo.


Eu nem estava feliz, né? rs

O cardápio do dia no hostel


Depois aproveitei que o sol ainda estava brilhando e fui dar uma volta pelos arredores do hostel. Bem, você saindo do hostel e caminhando para a sua esquerda (se estiver de frente para as Casamatas), bem ali ao lado tem um parque imenso, com uma represa de água, que é ótimo para caminhar. Todo aquele clima, o silencia misturado com o barulho da água, te dá uma sensação de paz maravilhosa. Caminhei um pouco por ali e já serviu para dar aquela relaxada pós-viagem longa.


Parque ao lado do hostel


Depois subi (prepare-se, pois essa região tem muitas subidas e descidas hehe) para a região mais bonita de Luxemburgo, na minha opinião. Lá de cima, na mureta das Casamatas de Bock, você tem uma vista maravilhosa. Rende muitas fotos também. Você consegue visualizar as belezinhas do Grund, que é o bairro mais antigo da zona baixa de Luxemburgo, é realmente muito lindo.


Perdi algum tempo por ali contemplando toda a magia daquele local. Depois voltei para o hotel. Uma boa noite de sono, para descansar tudo da viagem e ficar 100% para os próximos dias da viagem <3


2º dia - Em Luxemburgo


Como ainda não tinha chip de celular (nem shampoo e condicionador, que eu deixei para comprar lá rs), essa era minha missão da segunda-feira, dia 10 de junho... Mas... Se eu contar pra vocês... Vou contar!!! Haha


Tomei um cafezinho gostoso no hostel e saí caminhando, tinha usado o wi-fi do hostel para ver onde era a Chemin de La Corniche, conhecida como a varanda mais linda do mundo e já queria aproveitar o caminho para ir até lá. Sim, é muito gracinha mesmo, você tem a visão da parte baixa da cidade cortada pelo rio, com todos os seus “labirintos”, pontes, construções, o verde, tudo em perfeito equilíbrio. Amei.


Chemin de La Corniche

Ai depois, sem internet no celular, resolvi ir andando, meio que sem direção, para o centrinho, na tentativa de achar a loja da Orange. Andei, apreciando tudo, e cheguei em um lugar cheio de muros, tipo um labirinto. Pela descrição que encontrei lá, eu estava no L`écluse du Grund, um forte que foi construído em 1731, bem bacana passear por essa parte histórica.


Andando sem rumo (ou com? rs)


Chegando na parte do comércio, percebi que TODAS as lojas estavam fechadas. Isso, em plena segunda, às 11 da manhã. Gente, que isso?! rs. Eis que achei a Orange e adivinhem. Fechada! Claro! Fui perguntar o motivo em uma espécie de mercadinho que tinha ao lado, esse estava aberto, e descobri que era feriado de Pentecostes. Então bora passear, ainda sem chip, sem shampoo e sem condicionador hahaha.


A loja da Orange é bem de frente para a Praça das Armas e do Cercle, local que eles recebem as autoridades (parece uma igreja, mas não é). Como era feriado, estava rolando uma